Papa Francisco - Missa do Corpo de Deus

Papa Francisco – Missa do Corpo de Deus

“Quinta-feira, dia 4 de junho: o Papa Francisco presidiu à Missa da Solenidade do Corpo de Deus celebrada no adro da Basílica de S. João de Latrão. Na sua homilia, o Santo Padre introduziu, desde logo, o verbo desagregar:

“Desagregamo-nos quando não somos dóceis à Palavra do Senhor, quando não vivemos a fraternidade entre nós, quando competimos para ocupar os primeiros lugares, quando não encontramos a coragem de testemunhar a caridade, quando não somos capazes de oferecer esperança. Assim desagregamo-nos”.

Segundo o Santo Padre “a Eucaristia permite-nos que não nos separemos, pois é o vínculo da comunhão, é o cumprimento da Aliança sinal vivo do amor de Cristo que se humilhou e aniquilou, para que permanecêssemos unidos.” Desta forma, Cristo quer que sejamos comunhão com os pobres e os fracos:

“O Cristo presente no meio de nós, no sinal do pão e do vinho, exige que a força do amor supere toda a laceração e, ao mesmo tempo, torne-se comunhão com o pobre, apoio para o fraco, atenção fraterna aos que se esforçam carregando o peso da vida quotidiana e estão em perigo de perder a fé”.

“E o que significa hoje para nós “padecermos”, ou seja,  diminuir a nossa dignidade cristã? “ – perguntou o Papa que respondeu logo de seguida:

“Significa deixarmo-nos atingir pelas idolatrias do nosso tempo: o aparecer, o consumir, o eu no centro de tudo; mas também ser competitivos, a arrogância como comportamento vencedor, o não dever nunca admitir ter errado ou ter necessidades. Tudo isto nos abate, nos torna cristãos medíocres, mornos, insípidos, pagãos”.

O Papa Francisco continuou a sua reflexão afirmando que “Jesus derramou o seu sangue como preço e como batismo, para que fôssemos purificados de todos os pecados”. Se bebermos dessa fonte, acrescentou, “o Sangue de Cristo nos libertará dos nossos pecados e restituirá a nossa dignidade”. E sublinhou que a Eucaristia não é um prémio para os bons mas força para os débeis:

“ Assim aprendemos que a Eucaristia não é um prémio para os bons, mas é a força para os débeis, para os pecadores, o perdão e o viático que nos ajuda a andar e a caminhar.”

O Santo Padre concluiu a sua homilia lembrando os cristãos oprimidos e perseguidos, pedindo para nos sentirmos “em comunhão com os nossos irmãos e irmãs que não têm a liberdade de expressar a sua fé no Senhor Jesus. Sintamo-nos unidos a eles: cantemos com eles, louvemos com eles, adoremos com eles. E veneremos no nosso coração aqueles irmãos e irmãs aos quais foi pedido o sacrifício da vida pela fidelidade a Cristo: o seu sangue, unido ao do Senhor, seja penhor de paz e de reconciliação pelo mundo inteiro.

Após a Eucaristia seguiu-se a Adoração do Santíssimo Sacramento e a procissão que percorreu a Via Merulana até à Praça de Santa Maria Maior onde foi dada a bênção final. “

Referência Original